Final Fantasy - Um Clássico PDF Imprimir E-mail
Dom, 22 de Agosto de 2010 21:12

"Final fantasy: Um Clássico!"

Por : Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

Você já parou para jogar o primeiro Final Fantasy? FFI é certamente um clássico, deveria ser jogado por tudo que representa hoje em dia a série. Se não jogou o I, não tem problema, porque certamente FFVII você já teve o prazer de jogar, esse é sem dúvida um grande clássico do videogame de todos os tempos. Vejamos, o que é um clássico? Existem jogos que nascem clássicos? Final Fantasy XII já pode ser considerado um?



Vou começar parafraseando uma frase de Ítalo Calvino: “os clássicos são aqueles jogos dos quais, em geral, se ouve dizer: Estou jogando novamente... e nunca Estou jogando”.


Essa expressão serve apenas para aqueles gamers mais hardcore, fãs da série, não para os jogadores casuais. Apesar disso, qual o verdadeiro critério para se dizer que Final Fantasy é um clássico? Existem várias formas de ler isso, muitos pensam que para se ganhar o status de “clássico” o jogo precisa ser velho, mas clássico não é sinônimo de velho, ao menos não deveria ser. Final Fantasy I foi lançado há muito tempo, certamente pra muitos é um jogo marcante, mas para outros, que entraram na série depois, não passa de um rpg do passado um tanto quanto mal feito (pros dias de hoje).


Dizem-se clássicos aqueles jogos que constituem uma riqueza para quem os tenha jogado e amado. Outro grande chavão usado para definir os jogos clássicos, ou qualquer outro assunto referente a clássicos é de que eles tratam de assuntos “universais”. Clássicos são atemporais, não envelhecem. Pego o exemplo de Final Fantasy VII, dez anos pode parecer pouco, mas o jogo já é meio velhinho. O tema de proteção do planeta, contra energias “nucleares” era bem comum nos anos 90 no Japão, mas os assuntos não saíram de moda, assim como grupos de proteção ambiental nunca saem de moda, (Greenpeace que o diga). Proteger o meio ambiente é importante, ninguém nega, o assunto não morre. Isso fará com que Final Fantasy VII seja um clássico eterno?


Os jogos são lançados em uma determinada época, conforme crescemos, vamos mudando, e os jogos também vão mudando aos nossos olhos. Quando joguei FF7 pela primeira vez nem ao menos tinha reparado que falava de planeta, e proteção (tinha 11 anos). Re-jogar um game pode ser muito interessante. Uma definição interessante de clássico seria: um clássico nunca terminou de dizer aquilo que tinha para dizer. É como muitos, ou todos os “Final Fantasy”. Pegamos outro exemplo, Final Fantasy VIII. O tema do jogo (para quem não sabe) é o amor. Existe assunto mais eterno que “amor”? Um cara como o Squall, que no inicio manda Quystis conversar seus problemas com uma parede, aos poucos vai descobrindo o amor. Abra a porta de sua casa, e verá muitos Squalls andando por aí.


Talvez seja outro ponto que tenha que ser analisado, os personagens. Personagens complexos e bem trabalhados são marcantes. Os personagens de FFVI que o digam. Isso contribuiu para que o jogo seja um clássico? Através dos personagens talvez? Recentemente ouvi muitas queixas quanto Vaan e Penelo em FFXII, por serem personagens simples, sem profundidade, e praticamente inúteis no enredo. Mas se os personagens não são tão profundos, não podem ser clássicos? Fica valendo a trama então?


Não acredito que clássica seja apenas a trama, ou muito menos que esteja ligado a uma questão de tempo (quanto mais velho, mais “clássico”). Mas creio que cada um tem o seu clássico. É o mesmo que eu disse no inicio, é aquilo que nunca terminou de dizer o que tinha pra dizer, aquele que você quer re-jogar sempre. Se você hoje pega seu cartucho ou que seja, de Final Fantasy I e sente vontade de jogar, então é um clássico.


O seu clássico é aquele que não pode ser-lhe indiferente e que serve para definir a você próprio em relação e talvez em contraste com ele. Clássicos não morrem, e ajudam a definir você, sua pessoa, caráter. Quando joguei Final Fantasy XI tive que aprender a conviver em comunidade, estar sempre falando, preparado para ajudar, e saber pedir ajuda. Todas as coisas que sempre tive dificuldade em fazer, não é a toa que o tema do jogo é Cooperação. E não é disso que precisamos? O ser humano não é um ser que vive em sociedade? Cooperação é um assunto que não morre, voltamos ao clássico “atemporal”. Para muitos, devido a essa sociedade brasileira maravilhosa, jogar FFXI sempre foi um sonho distante, mas para mim ele é um clássico. Ou seja, um clássico não nasce clássico, nós os fazemos assim.


Sabe aquele jogo lá da era dos 16bits, que ninguém mais gosta, ou nem conhece, mas que não importa, você joga quantas vezes for preciso. Esse é o seu clássico. Se seguirmos por esse lado, então tudo pode ser clássico e não tem um critério. De certo modo, sim. Mas se formos ver, por mais que FFI, VI, VII,VIII, etc... Sejam clássicos por que nós os quisemos assim, todos eles possuem história inovadora (para sua época), temas atemporais, personagens marcantes. Jogos como Shadow of The Colossus são clássicos, certamente, FFXII também está com seu lugar garantido. Querer procurar um critério talvez seja procurar pelo em ovo (como dizem), eu pod
eria resumir tudo isso que escrevi em uma frase “clássicos são os jogos que nós nunca cansamos de jogar”.
Sempre que vejo alguma definição de clássico, penso como jogos que marcaram época, inovaram, como Zelda, Dragon Quest, FFI, Mario, Sonic. Mas dentre esses, os meus clássicos são apenas alguns. Não importam o que digam, Final Fantasy é clássico.


Por : Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.