História e Mito PDF Imprimir E-mail
Dom, 30 de Outubro de 2011 15:07

 

 

 

 

Analetos


I. Os Deuses Desaparecidos

Lamento resplandecente, de uma criação espiral.
Uma terra moldada, em um futuro para raízes.
O sábio voltou os olhos para dentro da mente, buscando a verdade profunda.
O tolo desejou o nada, e logo foi feito segundo seu pedido.
O Criador forjou os fal'Cie, a partir de seus próprios fragmentos.
O Criador forjou o homem, a partir de vestígios uma vez Divinos.
Com o tempo, os deuses partiram, deixando todos em uma terra incógnita.
Os fal'Cie ficaram como o homem, abandonados e órfãos de um criador.

- Autor desconhecido

 


II. Ninho de Lindzei

E eis que a víbora Lindzei cravou suas presas no solo puro de nosso Gran Pulse; arrancando a terra e com ela construiu um casulo flutuante medonho e imundo.

Mentiras derramados da língua da serpente: "Dentro deste escudo está o paraíso." Os homens ouviram estas mentiras, foram seduzidos e partiram para lá.

Tolos e bobos são os que confiam na cobra e viram as costas para a generosidade da terra sagrada de Pulse! Aqueles que moram no casulo não são homens, mas sim escravos do demônio Lindzei.

Vós que honram Pulse: subai-vos até os céus, e derrubai-vos o ninho de víboras!

- Autor desconhecido

 


III. Os Escolhidos

Dois Cie's são eles. Os escolhidos, e da saraiva do Norte eles virão. Fortalecidos estão com o foco do fal'Cie, para suportar a carga da besta.

Meus irmãos e irmãs de Gran Pulse: Honrem os Escolhidos em suas orações! Deixem a lâmina forjada de sua vontade ser temperada pela sua fé, que poderá rasgar a fachada diabólica que é o casulo!

- Um Chamado aos exércitos

 


IV. O Engano Celestial

Ragnarok bateu asas, feita para ferir Cocoon e, assim, nos trará paz eterna. Mas sua Providência não o deixaria ser.

A Deusa tinha pena dos tolos que tão cegamente se curvaram à vontade de Lindzei, e assim Ela roubou Ragnarok do poder, colocando os l'Cie em um sono de cristal antecipado, um Focus ainda incompleto.

- Sermões da vidente Paddra Nsu-Yeul

 

 

V. A Idade da Glória desvanescente

Quanto tempo passou, desde que os demônios de Cocoon violaram esta terra? Onde uma vez os povos de Gran Pulse mantiveram-se como um, unidos contra um inimigo em comum. Hoje estamos divididos, em guerra entre nós.

Caminhamos sobre a ponta de uma faca, oscilando, mas sempre a um passo de nossa morte. Como uma espécie de cansaço, que temos de roubar o nosso próprio. Das necessidades para a vida para não ceder ao destino ao qual os outros de bom grado assunto!

Mesmo Haeri, no auge de sua glória, previsto para a ruína de uma ameaça ainda maior! Certamente as víboras nesse ninho flutuante olham para nós com um farisaico desprezo, para ver o declínio da civilização que outrora era grande.

- Críticas de um Povo Pulsiano

 


VI. A era da ruína

O fal'Cie da santificada terra de Pulse não nos ofereceu a salvação. Populações diminuem, e ainda eles fazem mais de nós servos l'Cie, dando-nos um incompreensível Focus que nos levam em direção ao nosso fim.

Os homens pegam em armas contra seus irmãos agora. Nós, que devemos unir forças para sobreviver diante das provações da natureza, que por sua vez tenta garantir que algumas de suas bênçãos permaneçam.

Suspeito que mesmo a cidade de Paddra, este último bastião da civilização, não vai resistir muito tempo contra os males que tentam perpetrá-la. A vida humana em Gran Pulse passou do ponto sem retorno.

- Críticas de um Povo Pulsiano

 


VII. Santificado Pulse

Foi o Grande, e Santificado Pulse que, buscando a expansão do domínio divino, se separou do caos e constituiu um reino formado por dentro dos planos; fal'Cie criados, e encarregados de concluírem este mundo.

Os fal'Cie, ansiosos para agradar a mão que lhes deram forma, trabalharam com dedicação na tarefa que lhes foi dada. Eles fizeram dos homens l'Cie, para que eles também pudessem ser capazes de ajudar na causa maior. Os homens, por sua vez, ofereceram elogios e orações para a Santificada Pulse, nomeando sua terra, em honra a seu arquiteto.

Ainda assim, o arquiteto partiu.

- Sobre a natureza dos Fal'Cie

 


VIII. A queda de Lindzei

Como nosso fal'Cie é o filho do Santificado Pulse, os que se escondem dentro do Casulo são linhagem de Lindzei.

Mas nem todos os deuses são iguais.

Lindzei é astuto e falso, soberano de serpentes e demônios, um anátema para ser abominado.

fal'Cie's do Casulo são da linhagem de Lindzei, mas isso não os poupou. Eles foram deixados da mesma forma; deixados como órfãos quando seu Succubus fugiu para este reino terrestre.

- Um Chamado aos exércitos

 


IX. Sua Providência

Sua Providência procurou o nada.
Sua Providência não fez nada.
Mas ela olhou, em silêncio, em sua tristeza.

Os mortais da deusa plumada, como eram destinados a morrer, e então ela se dignou a intervir na hora de seu maior perigo.
Ela desviou o cataclisma que era para ser, e colocou para descansar os que teriam roubado o que o tempo tinha ordenado.

A sua compaixão não acabou com isso.

A Deusa plumada também designa sujeitos ao Focus, ainda mais cruel que a morte. Para eles, ela enviou seus mensageiros, para oferecer esperança quando tudo estava perdido.

- Sermões da vidente Paddra Nsu-Yeul

 

 

X. A Ameaça do Além

Eles dizem que os fal'Cie forjaram Arcas, em preparação para a batalha contra a ameaça que espreita do além. Onde está esse "além" de que falam? Será que ele significa o Casulo e os demônios que habitam dentro? Se assim for, eles estão enganados. As lendas das Arcas datam muito antes da esfera flutuante ser criada; sussurros sugerem até que uma Arca foi deslocada na época da criação de Cocoon, levada para ser escondida dentro de seu resistente casco.

Qual é, então, esta 'ameaça'? Que ameaça distante vem confrontar-nos, e com que propósito? Os deuses desapareceram a partir deste lugar. São eles hoje os moradores do "além"?

- Sobre a natureza dos Fal'Cie.

 


XI. Hipótese da Caça

Temos mantido o objetivo das escavações sem fim do fal'Cie para a expansão do espaço inabitável do mundo a fora - a criação de novas terras, com o qual honramos os deuses. Mas eu afirmo que isso seja falso. Seus métodos não têm uma ordem, e poderiam esperar se isso fosse o fim, e além do mais, os deuses que eles honram há muito partiram deste mundo.

Proponho uma explicação diferente: os fal'Cie estão caçando. Se eles buscam uma maneira de lembrar os deuses ou viajarem ao seu lado, isso eu não posso dizer, mas eu acredito que os fal'Cie buscam suas divindades perdidas. Eles buscam na terra, nos céus, nas águas, mesmo nas profundezas, sempre buscando uma porta de entrada para o plano Divino.

- Sobre a Natureza das fal'Cie

 


XII. A Porta das Almas

Quando nossos vasos - corpos - terrenos chegam ao fim, as almas que os abrigam devem deixar este mundo. Será que o caminho de sua migração não é o mesmo tomado por nossos deuses viajantes? Não devem eles passar pela mesma porta do plano Divino para chegarem a esse lugar chamado além?

Se este for o caso, é lógico que, se vidas de incontáveis pessoas forem encurtadas, uma avalanche de almas surgiria através do portal acima mencionado. A porta seria demasiada aberta, e talvez possamos até mesmo vislumbrar a luz brilhante da Divindade que habita no além.

- Sobre a natureza dos Fal'Cie.

 


XIII. Fabula Nova Crystallis

Filhos da terra do Santificado Pulse vasculhem a terra, procurando o portal. Aqueles que colhem almas, Fell Lindzei, procurando no éter para o mesmo. Então vi.

A Porta, uma fechadura, foi trancada, com desespero a sua chave secreta foi escondida; sacrifício, a única esperança de vê-la sem o lacre.

Quando o crepúsculo dos deuses, finalmente descer sobre este mundo, o que emerge a partir da expansão do não visivel além dessa porta, será música, e desprovido será de palavras: as lamentações da deusa Etro, como ela soluça um canto de tristeza.

- Autor desconhecido

 

 

História

Treze séculos atrás, um fal’Cie, ser sobrenatural criado por um cristal, formou um mundo voador utópico na atmosfera do planeta de Gran Pulse. Esse “mundo” seria protegido de toda selvageria e cataclismos existentes em Gran Pulse. Para tal, foram construídas máquinas para serem os guardiões dos cidadãos, e uma barreira ao redor do mundo artificial. A civilização ali formada seria chamada de Cocoon, literalmente um casulo flutuando acima de

Gran Pulse. A rivalidade entre os dois mundos foi aumentando e culminou na War of Transgression.

Estando isolada do mundo por tantos anos, a civilização de Cocoon passou a questionar o quê Gran Pulse realmente escondia, e as pessoas começaram a se perguntar sobre o modo de vida deles e daqueles do mundo abaixo. Temendo que a situação piorasse, o Sanctum, governo sagrado de Cocoon, decretou uma nova lei dizendo que qualquer indivíduo suspeito de estar em contato com o mundo de Pulse seria banido do continente e jogado no ambiente selvagem do planeta abaixo.


No entanto, as pessoas começam a se assustar. Espalham-se rumores de que um fal’Cie de Pulse foi encontrado na cidade de Bodhum, e não há outra opção para o exército privado da Sanctum, conhecida como PSICOM, senão banir todos os cidadãos do local para o mundo inferior. Este evento marca o início da história de Final Fantasy XIII, com a expulsão dos contaminados e a transportação do Pulse Vestige, que abriga o fal´cie Anima.
Mas, como por um acaso, o fal’Cie acaba fazendo de Lightning e seus companheiros l’Cies, o que os força a cumprirem uma tarefa, um Focus, e dando a eles os poderes do cristal. Tendo sucesso na realização da tarefa, os personagens se tornarão em cristais; mas caso falhem se transformarão em Cie’ths, monstros horrendos que vagam sem propósito pelo mundo.

Em resumo, o enredo se concentra nos conflitos internos dos personagens, e em como eles lidam com seu destino: destruir Cocoon.

A história se centra em um tema forte: “aqueles que resistem ao mundo”.

 

 

Cocoon - Uma utopia no céu


 

Seus habitantes acreditavam que seu mundo era um paraíso.
Sob o governo de Sanctum, Cocoon por muito tempo conheceu a paz e a prosperidade.

A humanidade foi abençoada por seu protetor, o benevolente fal'Cie, e acreditavam que os dias tranquilos continuariam para sempre.

Sua tranquilidade foi quebrada com a descoberta de um fal'Cie hostil.

O momento em que o fal'Cie de Pulse - o temido e odiado mundo abaixo -
acordou de seu sono, a paz em Cocoon chegou ao fim.

fal'Cie amaldiçoa humanos, transformando-os em servos-mágicos.

Tornam-se l'Cie - Escolhidos do fal'Cie.

Aqueles marcados com a marca de um l'Cie carregam o fardo de cumprir seu Focus ou enfrentar um destino mais duro que a própria morte.

A oração para a redenção.
O desejo de proteger seu mundo.
A promessa de desafiar o destino.

Após treze dias de destinos entrelaçados, a batalha começa.

 

Pulse


 

Descansando sobre a sombra de Cocoon, Pulse é conhecido como mundo inferior. Rumores enigmáticos andam se alastrando e gerando grande temor nos habitantes de Cocoon. Acredita-se que Pulse é um local inóspito para a vida humana, e uma das leis mais severas de Cocoon proíbe viagens dos cidadãos de Cocoon á se aventurar lá para desafiar esta hipótese. Nem mesmo os membros do escalão superior de Sanctum podem afirmam ter visto a superfície com seus próprios olhos, mas a tentativa de invasão pelos exércitos do mundo selvagem, vários séculos atrás está bem documentada. Ainda hoje  o medo de uma agressão como no passado persiste entre a população, que mesmo sem nunca ter visto Pulse, o considera o inferno.

 

Pulse fal'Cie

 

Fal'Cie são uma existência além da compreensão humana, dotada de poderes mágicos incríveis. Os responsáveis pela construção de Cocoon são protetores da humanidade, mas existem outros de sua espécie, os fal'Cie que habitam Gran Pulse se auto-nomeiam inimigos de Cocoon.


Humanos que encontram fal’Cies de Pulse são amaldiçoados, se transformam em l’Cies e tem a tafera de trazer a destruição a Cocoon. É por esta razão que a maioria dos cidadãos comuns apoiam o  “The Purge” um decreto de que qualquer pessoa que possa ter entrado em contato com um desses fal'Cie representa uma terrível ameaça a Cocoon.

 

Pulse l'Cie


 

Os seres conhecidos como fal'Cie possuem o poder de transformar seres humanos em servos mágicos, obrigando as vítimas a servir a sua vontade. Estes indivíduos, conhecido como l'Cie, são marcados com marcas indeléveis. Um l’Cie possui poderes mágicos enormes, mas por outro lado arca com o fardo de completar uma tarefa conhecida como Focus designada por seu mestre fal'Cie.

Pulse l'Cie - ferramentas do fal'Cie do mundo inferior - são considerados perigosos inimigos da sociedade de Cocoon. Pulse l'Cies são caçados implacavelmente.