Preview PDF Imprimir E-mail
Sáb, 04 de Setembro de 2010 00:44

Desenvolvedora: Square Enix
Distribuidora: Square Enix
Lançamento: 30 de setembro de 2010
Plataforma: PC/PS3
Gênero: MMORPG
Site oficial: Final Fantasy XIV
Valor: $12,00 dolares mensais
Produtor: Hiromichi Tanaka
Diretor: Nobuaki Komoto
Diretor de Arte: Akihiko Yoshida
Compositor: Nobuo Uematsu

"Ela é uma maravilha, não só prova que os deuses existem, mas que eles a amam profundamente."
- Explorador e Criador de mapas: Orrick Ballard

O Mundo

O jogo se passa em uma terra chamada Hydaelyn, principalmente em uma região denominada Eorzea, localizada no continente de Aldenard, cercada por suas ilhas. Limsa Lominsa é uma das mais notáveis cidades, movimentada pelo comércio marítimo e portos bem localizados. Temos também algumas outras localizações de destaque, dentre elas, Ul'dah, uma cidade no meio do deserto e cheia de minerais preciosos, Gridania, entranhada no meio de uma floresta, e Ishgard, construída no topo das montanhas

Por todo o mundo, pode ser encontrada uma grande diversidade de climas, podendo variar ao "rigoroso", bem como ao agradável, assim como no mundo real. O mundo de FFXIV é enorme! Passando por lugares isolados com extensos horizontes e áreas ainda atraentes para serem exploradas.

Criaturas colossais saem da terra, como se uma montanha tivesse ganhado vida. De todas as coisas boas que podem ser ditas sobre Eorzea, hospitalidade não é uma delas.

A história de Eorzea é uma trama tecida de guerras e conflitos, maculada com o sangue de inocentes e cinzas de animais.

Mas o que motiva os habitantes a permanecerem nessas terras de tormento? Talvez o amor pelos deuses o façam suportar essas terras impordoáveis. A resposta está com aqueles que dão forma a Hydaelyn: os cristais, a pedra angular de todas as coisas!

"Os homens estão habituados a sofrer e esquecer onde eles pecam pois jamais quebram as costas sobre tragédias do passado"

A História

Inúmeras luas se passaram desde que as errantes tribos de Hydaelyn começaram a sua colonização. Primeiro chegaram a Eorzea e foram derrotados pela kterra impiedosa. As benevolentes deidades que governavam o vazio continente das ilhas vizinhas se impressionaram com a resistência e determinação destes homens primitivos. E num ato de piedade, os ajudou a estenderem-se com suas moradias e a dominar a terra.

Estes deuses e deusas logo vieram a ser conhecidos como os Doze, e as vilas prosperaram sob a luz dessas divindades. E logo a terra estava tomada com várias "cidades-estados" independentes.

Estas nações forjaram uma história banhada a sangue. No entanto, o destino destas terras em breve iria mudar.

Há quinze anos, uma nova ameaça surgiu sem aviso prévio a partir do leste. Guerreiros com armas de fogo destruíam tudo a sua frente, enquanto as frotas das naves Behemoth soltava uma fumaça oleosa que bloqueou o sol por dias.

A resistência foi se acumulando, mas não antes da Ala Mhigo, outrora a mais poderosa das seis "cidades-estado", habia caído para o poderoso império Garlean.

Da mesma forma em que o império da Dreadnaughts continuou sua marcha de terror em todos os campos do norte, as demais nações (outrora em guerra) deixaram de lado suas diferenças e, clandestinamente uniram-se para formar uma aliança. Felizmente a invasão nunca aconteceu, e da mesma forma que havia chegado, o império se foi novamente.

Entretanto, ecos de sua sinistra mensagem ainda ecoam no coração do povo de Eorzea. E o reino nunca mais seria o mesmo. E sendo assim, Eorzea mergulhou em uma espécie de calmaria, durante o qual uma desconfortável paz prevaleceu.

Com medo da próxima tempestade, a rimeira tarefa da recém-formada aliança era fortalecer suas defesas. Em outas épocas, algumas dessas cidades-estado mantinham organizações militares, optando em contratar os serviços de mercenários e cavaleiros para defender suas causas.

Por medo de piorar a situação com a terra caindo em caos, respeitados líderes de toda Eorzea se reuniram e formaram uma rede de guildas para fornecer a tais almas perdidas uma chance de voltar a viver. Tal guerra que não aconteceu acabou fazendo com que os soldados nela envolvidos ficassem agora sem emprego. O que fez com que eles se agrupassem formando uma classe chamada Aventureiros.

As Raças

Embora semelhante ás raças de FFXI, estas terão novos nomes. Os humanos, anteriormente conhecidos por Humes, vão se chamar Hyur.

Os elfos, anteriormente chamados Elvann, tem agora o nome de Elezen, enquanto os Galka, humanóides parecidos com gorilas, passam a se chamar Roegadyn. As Mihtra, mulheres semelhante a gatos, agora são Miqo'te e por fim, os seres parecidos com gnomos, TaruTaru serão agora os Lalafell.

Elezen - Nobre e refinado

O Elezen é tradicionalmente nômade, que em tempos antigos alegou seu único domínio sobre Eorzea, antes que o das outras raças. Acreditando ser essa proeminência ordenada pelos deuses, vieram a desenvolver um sentimento de honra a seus semelhantes.

Suas características incluem altura, corpo magro e inteligência. Fazem parte de uma boa adaptação ao solo de diversos ambientes. Com efeito, é dito que suas orelhas são extremamente sensíveis para poder discernir a chiadeira de um pequeno rato a uma distância de vários metros.

Os Elezen consideram a imigração dos Hyur como uma invasão e, como resultado, ambas as partes tiveram um passado atormentado pela guerra. Entretanto, atualmente eles podem ser vistos coexistindo pacificamente, sendo a exceção do solitário Duskwight Elezen.

Lalafell - Mais inteligente pela metade

O Lalafell fora originalmente um grupo de agricultores habitando as férteis ilhas dos mares do sul. Com a introdução do comércio marinho, logo encontraram seu caminho para Eorzea através das rotas cormeciais.

Ela é agora uma das raças mais populosas e estão bem estabelecidas em toda a região, ainda que tenham aversão a climas frios.

A curto, os Lalafells possuem uma incrível agilidade. Aparentemente fraco, suas pernas são capazes de percorrer longas distâncias sobre qualquer terreno. Muitos dentre eles são também conhecidos pela astúcia e por posse de um intelecto altamente desenvolvido.

Não são de modo algum hostis a estranhos. Isso é evidenciado pelo fato de que eles continuam a partilhar prósperas relações com todas as outras raças de Eorzea.

Hyur - Diversidade em números

Sendo a maior população em Eorzea, os Hyurs vieram de continentes vizinhos em três grandes ondas migratórias. Com isso, trouxeram uma tecnologia sofisticada e complexa. Eles rapidamente tornaram-se uma grande força na evolução cultural, e estão hoje contribuindo amplamente para melhorias na civilização.

Um dos pontos fortes dos Hyurs é a sua espantosa variedade de idiomas e as instituições sociais que apresentam. Isto é dito, por ter em conta a sua firme convicção de liberdade individual, mas também resulta em uma relativa falta de solidariedade e de coesão em grupo.

Dois grupos distintos já existem entre os Hyurs: Highlanders, habitantes das zonas montanhosas, e os Miidlanders, que residem em altitudes mais baixas.

 

Roegadyn - Tamanho e matéria

Os Roegadyn são um povo marítimo, cujas maiores concentrações são encontradas ao norte do oceano, através do qual eles vieram para Eorzea. Eles possuem uma enorme musculatura, e são conhecidos pela importância cultural que os coloca sobre a concorrência e sua inflexível coragem.

Os Roegadyn em torno da área de Limsa Lominsa são tipicamente marinheiros, mas muitos também tem mudado significativamente, tornando-se mercenários, guarda costas, piratas ou mesmo mercadores.

Longe dali, nas profundas montanhas de Ul'dah, vivem os solitários, o clã dos Roegadyn, conhecidos como Hellsguard, que dizem dominar as artes mágicas

 

 

Miqoo'te - A tribo do um

Durante a idade da Endless frost, quando os mares se tornaram gelo e a passagem através deles se tornou possível, Eorzea viu um afluxo de estrangeiros sobre a flora. Este, por sua vez, trouxe a caça às tribos que subsistiam sobre eles. Os modernos decendentes dos quais hoje conhecemos como Miqo'te.

Desde então, os Miqo'te tem divergido em dois grupos distinguíveis fisicamente, o diurno Seekers do sol, e os detentores da lua noturna. Ambos os grupos compartilham um soberbo sentido olfativo e uma poderosa musculatura na perna, resultados de uma longa evolução orientada para a caça e predação.

Comparativamente poucos em números, eles mantém uma mentalidade que tende a evitar o contato com as outras raças. Muitos indivíduos isolados levam esse estilo de vida, mesmo quando residem em cidades mais populosas.

"Toda alma tem necessidade de um código, uma finalidade para orientá-los. Senão, o caos iria consumir todos nós.
Da determinação do ser: Guillaurmand de padellaint

O Jogo

No geral, existe uma classificação de quatro aventureiros. Baseando-se nas disciplinas para os quais se dedicam:

- Discípulos da guerra, comandante das armas, que vivem para chamadas de combate.
- Discípulos da magia, eruditas, pesquisadores de todas as coisas esotéricas.
- Discípulos da terra, coletores de recursos, materiais e estudantes da ordem natural.
- Discípulos da mão, artesãos que investem o seu engenho criativo na síntese e na indústria.

Os jogadores poderão optar por se especializar em uma disciplina, a excelência em uma única habilidade, ou podem ter uma abordagem mais geral, fazendo uso gratuito do arsenal. A escolha é sua!

"Para discernir a verdadeira natureza do homem, uma necessidade não procura nada além do que a palma de sua mão"
Do tratado sobre os princípios de auto-atualização: Rhylygg Bbirlonsyn

O Arsenal

O arsenal é um dos fundamentos da experiência kde Final Fantasy XIV, simultaneamente, sendo o impulso por trás do desenvolvimento e um fato chave para determinr a jogabilidade individual.

Por poder equipar uma variedade de armas ou de ferramentas, os jogadores podem mudar instantaneamente suas habilidades ativas, permitindo assim, alterar drasticamente seu estilo de jogo, bem como a aparência dos personagens. Para dar um exemplo:

Um novo começo:
Você recentemente escolheu iniciar sua viagem como um gladiador e praticou com sua espada a antiga arte da esgrima pela primeira vez. Ainda hoje, você acordou de madrugada para passar o dia caçando.

Um convite inesperado:
Então você convida alguns amigos para participar de uma expedição em algumas ruínas por perto. Após juntar a sua equipe, no entanto, você observou que a outra parte dos guerreiros se tornaram todos magos, destruindo todas as feras no caminho. Então, você larga sua espada e pega o seu bastão, assumindo o papel de mago. Sua classe mais avançada.

Longe da equipe:
O grup se separa. E na sequência de uma bem sucedida excursão, vendo um rio na volta para a cidade, você é subitamente tomado pelo desejo de comer peixes. Então você guarda o seu bastão e puxa para fora uma vara de pesca. O gladiador e o mago sumiram, agora você é um mero pescador.

Pau para toda a obra:
Ao chegar em casa, é hora de colocar de lado sua vara de pesca e tomar o seu martelo de ferreiro, mesmo não sendo um de seus pontos fortes. Ele sabe, como faz qualquer aventureiro, que a preparação é a chave para qualquer batalha. E sendo assim, usa suas habilidades para dar um belo afiamento em sua espada de gladiador. Tudo num único dia.

Esta é apenas uma mera amostra do que os jogadores podem esperar do arsenal. Com a flexibilildade do jogo, o sistema é projetado com ênfase não apenas na vida dos personagens, mas dos próprios jogadores também. O arsenal espera por você!

Guildlevels

Guildlevels são pequenas chapas retangulares decoradas com o cristal fixado em uma armação de metal precioso. Cada uma representando uma ação virtuosa de um dos padroeiros de Eorzea, também conhecido como "guardiões".

Entre missões ou quests, as guildas muitas vezes fornecem aos aventureiros estas placas, permitindo que os seus portadores tenham a "licença" para tomar as medidas necessárias para completar postos de trabalho, como a entrada em áreas restritas e etc.

Aetheryte

Aetheryte é o nome dado a enormes cacos cristalizados com a névoa Aetheric, precisamente cortadas e fundidas em máquinas arcanas. Ainda não se sabe quando ou porque estes dispositivos foram construídos. Suas qualidades tornaram-se a espinha dorsal do transporte cotidiano em todo o reino.

Embora o mecanismo exato por trás do teletransporte ainda seja um grande mistério, uma teoria afirma que quando um ser usa uma das abordagens, o Aether que compõe seu corpo ressoa com o aether dos cristais, que os transforma, resultando em uma completa desagregação de massa, permitindo-lhe regressar temporariamente ao invisível Aetheric que passa naturalmente ao longo de todo o planeta.

As partículas guiadas para um destino pré-determinado, e na chegada, o correspondente recipiente Aetheryte reconfigura a névoa de volta em sua forma original. Todo este processo leva apenas uma fração de segundos, permitindo um quase instantâneo transporte para lugares longínquos.