Principal PDF Imprimir E-mail
Sex, 03 de Setembro de 2010 23:16

Plataformas: Playstation
Lançamento Japonês: 2000 (7 de julho)
Lançamento Americano: 2000 (14 novembro)

Desenvolvido ao mesmo tempo em que o oitavo o jogo e por outro estúdio da Square, FFIX quase não recebeu o nome “Final Fantasy”. FFIX traz de volta Amano como Caracter Design e apostando na antiga mitologia dos primóridos da Square revivendo a nostalgia dos rpgs medievais, um dos exemplos disso são figuras como o antológico Mago Negro na forma de Vivi Ornitier. Final Fantasy IX trouxe de volta elementos que já estavam na saudade de muitos fãs da série como os personagens em SD. Quem conheceu FF na série Playstation costuma considerar esse o FF mais fraco, mas os fãs de longa data puderam reviver o ambiente medieval em gráficos completamente 3D.

O sistema do jogo é bastante simples, com alguns elementos de Final Fantasy IV perceptíveis. Uma das inovações seria a combinação de ataques entre o personagem Vivi e Steneir, fazendo ataques mágicos de espada. As magias de Black Mage de Vivi atingiam a espada de Steneir provocando um poderoso ataque mágico. A única coisa ruim do jogo talvez seja o fato de que, se você quer um personagem black mage, você TEM que usar o Vivi, ou um Dragooner, tem que ser Freya. A customização de personagens fica bastante limitada. No entanto as combinações das habilidades podem fazer cada personagem ser único. Você podia comprar armas nas lojas, ou fazê-las através de itens, igual a FFVIII. Cada arma tinha habilidades dentro dela que poderiam ser ganhas conforme você lutava. Após adquirir a habilidade, você poderia usá-la sem precisar da arma.

O sistema de Limit Break deu espaço ao Trance, é quase a mesma coisa, com a diferença de que seu personagem ganhava uma cor meio rosada, e suas roupas enrijeciam. Como chapéu de Vivi caído ficava err.... duro...

Ele trouxe outra inovação o Active Time Events, ATE. Com isso você podia ver o que estava acontecendo com outro personagem enquanto acontecia algo ao mesmo tempo com o personagem pricipal. É bastante interessante, mas meio inútil, tirando as situações cômicas dos personagens muitas vezes em que se podia vê-los, uma vez que a maioria dos ATE eram opcionais.

Havia também um sidequest bem maluco, o Mognet, você servia de carteiro para os Moogles que supostamente já eram carteiros. É uma side quest do jogo para aqueles que adoram ficar horas para completar tudo do jogo, esse era um dos desafios, encontrar todos os mogs e entregar suas cartas.

Final Fantasy IX apela principalmente para a platéia nostalgica, que reconhecerá diversos temas antigos da série (moogles, magia azul, magos brancos e negros, ambiente medieval, entre tantos outros).

Sem uma campanha de marketing forte FFIX teve um desempenho fraco nas vendas. O lançamento do esperado Dragon Quest VII pode também ser considerado uma das razões de 'apenas' dois milhões de unidades vendidas. Mas a verdade é que a Square não queria um sucesso de vendas nem impressionar os jogadores como fez com FFVII e FFVIII. FFIX foi um “presente” aos fãs por parte da Square, um projeto que acabou indo para frente por diversas circustancias, levando o nome Final fantasy, e se despedindo da era 32 bits.

O game conta a história de Zidane, um ladrão do grupo Tantalus que trabalha para o Reino de Lindblum.

Junto com o seu grupo, Zidane recebe a missão de capturar a princesa Garnet do Reino de Alexandria. No entanto, capturá-la não chega a ser uma tarefa complicada porque Garnet está tentando fugir do castelo.

Ao lado da princesa temos Steneir, o fiel cavaleiro. Depois se juntam ao grupo o Black Mage Vivi que busca respostas de sua origem, a White Mage e Summoner Eiko, e ainda Amarant, Quina e Freya. Dessa vez o vilão é Kuja, um aliado da rainha de Alexandria e mãe adotiva de Garnet que buscam o controle total dos reinos.

Na medida em que o jogador avança no jogo, Zidane descobre sua origem e a raíz do mal no mundo, na forma de Kuja. Ele estava manipulando a rainha para destruir não apenas Zidane, mas todo o planeta, para que assim pudesse acabar com os planos bastante maníacos de seu criador Garland.

Semelhante a FFVII e FFVIII, FFIX também seria relançado para o Ps2, mas como já dito, o projeto foi engavetado.