Square-Enix fala exclusivamente com a FFB sobre FFXIII-2 PDF Imprimir E-mail
Qui, 08 de Março de 2012 23:54

É com muito entusiasmo que lançamos agora no site mais esta super novidade para comemorar o lançamento de Final Fantasy XIII-2 no Brasil.

A Square-Enix concedeu a nós uma entrevista exclusiva sobre seu mais novo jogo contando novidades fantásticas sobre sua concepção, direção artística, enredo, jogabilidade, Final Fantasy em português e muito mais.

 

 

 

 

 

Gostaríamos de agradecer ao staff da Square-Enix e os senhores Toriyama, Kitase e Kamikokuryo (da esquerda para a direita), por terem compartilhado algum tempo de seus trabalhos nos escrevendo e dividindo tantas informações interessantes nesta entrevista com os fãs brasileiros.

Queremos agradecer também a EcoGames e a Linhas Comunicação por terem tornado isto possível e aos membros de nosso staff: Storm, Gold Snake e Larsa que ajudaram na entrevista. Muito obrigado a todos!

 

Clique em "Leia Mais" para ler a entrevista. A versão original em inglês também está no ar.






 

Entrevista em inglês


- A jogabilidade recebeu várias melhoras. Mas em relação ao enredo de XIII-2, qual foi o ponto que quiseram implementar, ou melhorar em relação ao jogo anterior?

Motomu Toriyama:
Nós desenvolvemos XIII tendo uma estrutura movida pela história, com o jogador sendo direcionado pelo jogo. Mas em contrapartida o game dá a impressão de ser muito linear, e de fato recebemos várias críticas por conta disso. Em XIII-2 fizemos o oposto e criamos uma estrutura movida para o jogador, que agora pode tomar suas próprias escolhas entre as diversas áreas do jogo. Por exemplo, as nuances da história podem mudar à medida que o jogador escolher seu destino viajando pelo tempo no decorrer do jogo.



- Porque optar por uma história com viagens temporais? Qual tipo de direção você pretendeu seguir dentro do contexto da mitologia da Fabula Nova Crystallis?

Motomu Toriyama:
No final de XIII, Cocoon sofreu um colapso e as pessoas precisaram reconstruir seu mundo. Eu quis retratar esse processo de restauração ao longo dos anos, então escolhi as viagens temporais como sendo o centro do enredo. Também, o aspecto se encaixa muito bem na capacidade dos jogadores de progredir pelo tempo e espaço. Já dentro do contexto da Fabula Nova Crystallis, a história de XIII-2 coloca seus holofotes sobre Etro, a deusa do mundo dos mortos. A mitologia abrange uma história vasta, os jogadores não verão o quadro geral ainda, e nós temos muitos elementos da história que ainda precisam ser contados.

 

- Em poucas palavras, poderia sintetizar todo o significado do tema principal da história de XIII-2?

Motomu Toriyama:
O tema central de XIII-2 é “Um desejo de restauração”. Isso se relaciona com o processo de restauração do mundo caído, e do desejo de trazer Lightning, que está desaparecida. Eu espero que retratando os sentimentos e atitudes daqueles que tentam recuperar algo perdido resultem em uma história sobre a coragem de viver.


- A direção artística do jogo é bem variada. Quais foram as principais inspirações por trás da concepção do mundo?

Isamu Kamikokuryo:
Na época que ainda estávamos decidindo qual direção seguir com os gráficos, quisemos seguir com um tom sombrio, e um bem único nesse propósito, então nos inspiramos em trabalhos de surrealismo, como as artes de Salvador Dali e Giorgio de Chirico. Havia muitos cenários desolados e estruturas abandonadas na visão do mundo também, então esses trabalhos foram grandes referências para criarmos as imagens finais; me ajudaram a determinar o equilíbrio do quão longe eu deveria buscar realismo, ou uma fantasia irreal, sendo ilusório nas imagens.

 


Salvador Dali


Giorgio de Chirico

 


- Você acha que Final Fantasy XIII-2 será melhor recebido pelos fãs que o primeiro? Porquê?

Motomu Toriyama:
A última edição foi recebida com muito feedback por parte dos fãs. Fizemos o melhor para melhorar diversos pontos para que esse título servisse como resposta a este feedback. Acima disso, conduzimos múltiplos grupos para testes durante o período de desenvolvimento, não apenas no Japão, e levamos em conta seus comentários para polir o jogo ainda mais. Acredito que muitos jogadores aceitarão estes resultados como um jogo completamente novo da série.

 

 
- Jogar só com dois personagens não prejudicaria a experiência de jogo como um todo?

Motomu Toriyama:
Em XIII-2, nós incluímos uma série de recursos que fariam o sistema de Paradigm Shift mais benéfico em situações estratégicas. Um deles é a capacidade de escolher por 150 monstros e recrutá-los em batalha. Estes monstros aliados tem cada um suas próprias habilidades, e desenvolvendo eles, suas características podem ser fortalecidas. Tendo um número de personagens fixo na verdade torna o sistema de batalha mais flexível. Em termos da história, muitos personagens do jogo anterior aparecerão de alguma forma, então tenho certeza que os fãs desses personagens ficarão satisfeitos com isso.




- A parte mais criticada de Final Fantasy XIII, sua lineariedade, não está presente em XIII-2. Pode comentar outros elementos de Final Fantasy XIII-2 que não estavam presentes no jogo original?

Motomu Toriyama:
A fim de acabar com a lineariedade do game, XIII-2 oferece quests opcionais desde o início. Junto com estas missões, há mini-games que independem da história principal. Esperamos que aproveitem esses mini-games elaborados que são bem característicos da série Final Fantasy. Também, outra novidade deste jogo são as DLCs que continuarão sendo disponibilizadas mesmo após o lançamento do jogo. As DLCs estão sendo criadas para expandir o mundo e o enredo de XIII-2. Ainda não anunciamos tudo que será lançado, então aguardem novas atualizações no futuro.


- Uncharted 3 e Assasin´s Creed Revelations vieram ao Brasil com menus e legendas em Português. Há alguma possibilidade de um Final Fantasy ser lançado aqui com estas opções?

Yoshinori Kitase:
Nós sempre tivemos suporte a outras línguas, em Japonês, Inglês, Francês, Alemão, Italiano e Espanhol, e com XIII e XIII-2 adicionamos Chinês e Coreano, trazendo um total de 8 idiomas. Atualmente estamos nos aproximando da capacidade máxima, desenvolvendo um jogo nessas línguas ao mesmo tempo, mas reconhecemos que a América do Sul é um mercado que nós, como companhia, devíamos visar mais, então gostaríamos de considerar a possibilidade.